Sabemos que você entrou nesse texto porque assustou-se com esse número. E, de fato, é impressionante. Se tomarmos como base as três folhas salariais mais altas de 2017 – Palmeiras (R$11 mi), Atlético MG (R$ 10,2 mi) e São Paulo (R$ 9,5 mi) – e a estimativa de 12%, o prejuízo equivale a R$ 3,7 milhões.

Analisando todas as informações dadas pelo site Cartola FC, do GloboEsporte.com, a média é de quase quatro jogadores por time impossibilitados de jogar cada partida, por estarem lesionados. Isso se consideramos apenas os jogadores que são escalados com frequência e não todo o elenco.

O nosso objetivo com esse texto é jogar luz sobre o prejuízo direto ocasionado pelo número de lesões nos times. E olha que não estamos levando em conta outros fatores indiretos, como o custos do departamento médico, o desempenho comprometido pela ausência de jogadores disponíveis e a desvalorização dos atletas lesionados.

Ainda colocando-se no lugar dos jogadores, não seria fantástico evitar todo esse processo de dor, física, emocional e psicológica?
Agora, você deve estar perguntando-se duas coisas: 1) Mas afinal, como esses caras chegaram a essa porcentagem? e 2) Existe uma forma de evitar essas lesões?

Ainda bem. Estávamos ansiosos por respondê-las.

 

Como calculamos a porcentagem de gastos com lesões dos jogadores

Vamos explicar melhor o racional por detrás desses 12%. Fizemos uma tabela bem detalhada, levando em consideração o número de jogadores lesionados por time a cada rodada.

Chegamos em uma média de 3,7 jogadores lesionados por time a cada rodada. Isso significa 12,3% dos jogadores desfalcados, se considerarmos que o elenco principal gira em torno de 30 atletas. Visto que todo investimento feito em um atleta é para tê-lo em campo nas partidas oficiais, assumimos o prejuízo de 12% em relação a folha salarial.

Exemplificando: O número médio de jogadores lesionados por time, em cada rodada do Brasileirão 2017, foi o seguinte: Atlético-GO: 1,1; Atlético-MG: 5,3; Atlético-PR: 1,7; Avaí: 1,1; Bahia: 4,4; Botafogo: 4,8; Chapecoense: 5,7; Corinthians: 2,7; Coritiba: 4,9; Cruzeiro: 4,9; Flamengo: 2,7; Fluminense: 5,7; Grêmio: 4,4; Palmeiras: 3,0; Ponte Preta: 2,8; São Paulo: 3,4; Santos: 5,3; Sport: 2,1; Vasco: 3,2; e Vitória: 4,0.

Isso de acordo com as informações que compilamos a cada rodada no site do Cartola FC. Portanto temos uma média de 3,7 jogadores impossibilitados de jogar, devido a lesão, por time a cada rodada.

Assim, descobrimos 12% do valor da folha salarial dos times é desperdiçado devido às lesões.

 

E é possível evitar essas lesões?

Uma análise da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) constatou que 24,1% das lesões são por choque e 39,2% são por lesões sem contato. Dessas, 17,9% são torções e 13,4% tendinites. Os números foram levantados dos prontuários médicos de oito times profissionais.

O estudo comprova que a maior parte das lesões não é causada por choques físicos durante o jogo, e sim, por movimentos de rotação e explosão muscular.

Segundo profissionais, a cada seis segundos um jogador faz um movimento inesperado. Faz parte da dinâmica do jogo. E é ai que ocorrem as lesões. Muitos sobrecarregam o ligamento cruzado do joelho, elásticos que esticam-se com a rotação da perna, o que ocasiona o rompimento total ou parcial.

Respondendo a pergunta, uma forma de reduzir a lesão é a medição do esforço físico em cada atividade. E isso pode ser feito por meio da coleta e centralização dos dados de performance de cada jogador durante as partidas.

O JogaPro é uma ferramenta de análise desenvolvida para auxiliar o trabalho da comissão técnica na otimização dos times profissionais de futebol e, dentre as funcionalidades, mostra os mini-ciclos de esforço dos atletas.

O funcionamento é o seguinte: dispositivos GPS são utilizados na parte superior das costas e fazem o rastreamento dos jogadores. As estatísticas geradas podem ser visualizadas em uma plataforma de inteligência de dados.

Com esse cruzamento dos dados quase simultâneo, a comissão técnica tem insights automáticos e fica constantemente em alerta aos pontos de atenção.

Assim, além de nenhum detalhe da partida passar em branco, as lesões podem ser prevenidas. E, como explicamos anteriormente, todos saem ganhando com isso.

Quer conhecer mais sobre o JogaPro? Envie um e-mail para contato@jogamais.com.br e receba mais detalhes do projeto.